sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Feliz por nada

Além do nome do livro que eu estou lendo, feliz por nada também é o que eu estou sentindo agora.
Talvez não seja totalmente por nada.
Essas últimas duas semanas foram difíceis e boas ao mesmo tempo.
Muitas coisas aconteceram, de todos os lados e tudo mudou um pouquinho.
E as mudanças nem sempre são fáceis mas você sempre sai aprendendo alguma coisa.
Às vezes você aprende que alguns amigos podem ser pra sempre se você souber cuidar deles.
Que nem todo amor pode ser vivido.
Que a gente tem que dizer o que pensa.
Escancarado mesmo.
Porque o que você esconde hoje, amanhã não vai ter mais valor.
E que você tem que aprender a pedir o que quer, claro que com jeitinho, mesmo arriscando ganhar um não.
Que na verdade, a gente pode fazer tudo o que a gente quiser, mas a gente se bloqueia tanto!
Crescer dói, mas é tão bom!

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Mania de greve

Influenciado por essa mania nacional e cansado de ser maltratado, meu coração entrou de greve.
O estopim aconteceu ontem quando o coitado trabalhou como nunca.
A culpa foi daquela sensação de ser completo que os poetas não sabem explicar, seguido de uma onda de baixa auto-estima, do medo de perder quem a gente quer perto e a angústia da rejeição. Exatamente nesta ordem.
Em estafa, meu coração parou, levantou cartazes e pintou a cara.
Exige melhores condições de trabalho e também aumento dos benefícios.
É melhor eu começar a negociar com ele, porque do jeito que as coisas andam, meu cérebro vai entrar de greve logo logo e é bom que pelo menos um deles participe das minhas decisões.