quarta-feira, 13 de junho de 2012

...

Eu não consigo entender como tem tanta gente cruel nesse mundo.
Gente que você se identifica, se aproxima, mas numa hora ou outra, te destrói.
E dói.
Eu não entendo o prazer em fazer pessoas de idiotas.
Talvez porque eu sempre estive do outro lado.
Ou talvez porque eu me preocupe demais.
Talvez eu seja mesmo idiota.

Eu achava que o bullying e a gastrite nervosa tinham me abandonado quando saí da escola.
Parece que não.

domingo, 3 de junho de 2012

Foi, o peso da vida

Foram, as coisas que desaprendi. 
Os anos que passaram.
Foram, pessoas que perdi e que me perderam.
Com elas, os olhares de cumplicidade.
Foi, a doçura que passou sem dor.
Foram e não voltam mais.
Eu não sei direito o que mais que foi.
Mas sei bem o que ficou.
Quem não tem muito, dá valor a tudo o que tem.
Hoje, a vida ficou tão leve que se eu abrir os braços uma brisa me carrega. E pra longe.