domingo, 30 de janeiro de 2011

Maior

Era uma vez, um menino.
Estava deitado em sua cama, acordado, mas com os olhos bem fechados.
Ele morava em uma casa pequena, em uma cidade pequena, de um país pequeno.
Ali, os sonhos eram pequenos.
Os erros eram pequenos.
As expectativas também.
E as pessoas eram felizes.
Todos na cidade dormiam tranqüilos, menos o nosso menino.
Havia algo que o atormentava. Um desejo. Uma vontade incontrolável de ser...

Grande.

Não era questão de idade. Quer dizer, talvez até fosse um pouco, mas não era só isso.
Ele estava percebendo que não cabia naqueles sonhos minúsculos, nem naquela cidade e talvez nem naquele país.
A consciência do seu tamanho caiu em seus ombros naquela noite e não o deixava dormir.
Não é que era infeliz. Sua família era ótima e tinha bons amigos.
Mas a partir daquele momento, seria impossível ser plenamente feliz, tendo que se espremer para caber naquela vida.
Estava apavorado. Não ousava abrir os olhos. E passou a noite inteira assim.
Pela manhã, estava se sentindo um pouco melhor. A escuridão sempre alimenta nossos medos.
Quando a claridade entrou no quarto, ele sentiu que conseguiria encarar a vida de novo e levantou-se, esfregando os olhos.
Mais tarde, se encheu de coragem e contou para seu pai em segredo o que estava pensando.
Se arrependeu no momento em que seu pai abria a boca para responder. Já sabia o que ouviria.
"Quando eu era pequeno também pensava assim. Nós somos iguais, meu filho. Isso passa. Seu futuro é aqui."
A resposta que recebera ecoava pelos cantos da casa num silvo baixo. Ecoou durante toda a noite dentro de sua cabeça e por anos a fio em sua vida até quase chegar a acreditar que era verdade.
Mas não era.
E um belo dia ele cresceu.
Superou as expectativas, aprendeu rápido, cumpriu prazos, engoliu críticas e amou, sofreu, amou de novo.
E foi promovido a gerente, a diretor, a presidente, a marido, a pai.
E quando chegou a hora, colocou a família em um barco bem grande e foi embora.
Ainda há notícias dele nos jornais. Diz que quer virar astronauta.
Talvez a Terra não seja grande o suficiente para ele.

5 comentários:

  1. Xuxu!

    Que saudades suas... Queria saber como você está! Quer sair nessa sexta?

    Achei sua cara, essa música: http://www.youtube.com/watch?v=mIhVdbcOmNc
    E a letra, meio chata de encontrar: http://www.streetdirectory.com/lyricadvisor/song/ueaeau/octopus/
    O mais genial dessa música é que polvos realmente tem 3 corações...

    Beijão!
    Di

    ResponderExcluir
  2. Eu estou bem! Também estou com saudades e quero sair sim, mas sexta é aniversário da Candy, então ainda tenho que ver isso direitinho...

    A letra realmente é muito muito legal, mas a melodia é triste...!

    É meio esquisito porque músicas tristes realmente não se encaixam no meu momento agora. Elas logo fogem de mim. =)

    Beijão, linda!
    E obrigada por ser tão... enciclopédica! Eu nunca ía saber que os polvos têm 3 corações e ía ficar sem entender o título da música.

    ResponderExcluir
  3. Assim como as vacas tem 3 estômagos !!! (ou será 4?)

    ResponderExcluir
  4. E, de acordo com o Google, são 4. Ou melhor, um com 4 cavidades.

    ResponderExcluir