terça-feira, 4 de maio de 2010

"Life is what happens to you while you're busy making other plans"

Estava em dúvida se postava esse texto ou não, porque é meio clichê. Todo mundo já leu um texto desse na vida. Ou ouviu uma música. (Que tal "O tempo não pára"?)
Resolvi postar porque está refletindo o meu presente. Mas vai baixando essas expectativas.


Tudo começa com a escolha. Você tem que escolher um caminho para continuar a vida, mas não consegue decidir por qual seguir, porque obviamente você não sabe o futuro, e daí você fica tentando enxergar as conseqüências, mas é tudo muito nebuloso. Há muitas outras variáveis envolvidas. Mas deixar de decidir também é uma decisão - foi o que disse minha psicóloga. - A vida não vai te esperar analisar todas as possibilidades e, finalmente, coroar a vencedora.
A vida passa muito rápido e quando você olha para trás, resolve que mudaria tudo. Todas as pequenas escolhas. Você lembra daquela risada que você prendeu para não constranger a outra pessoa no elevador e deseja ter gargalhado alto. Porque era isso o que você queria fazer. Mas não fez. E todas aquelas vezes que você engoliu aquele pão light com requeijão light no café da manhã. Sem graça e sem gosto. Assim como o resto do dia.
E você pensa: não pode estar tudo errado! Eu fiz escolhas certas... - Nessa hora saiba que você perdeu o dia. Talvez durante a manhã você consiga pensar em outras coisas, mas à tarde e à noite serão nostálgicas e contra-produtivas.
Sim, você fez escolhas boas. Várias lembranças boas vêm à mente. Amigos, sempre tão companheiros. Momentos engraçados. Trocas de confidências. Você amou algumas pessoas. Teve momentos bons com elas. Momentos nos quais você poderia ter passado uma vida inteira. Você ama sua família. Apesar de não ser perfeita. Nenhuma família é perfeita - mas você ainda não entendeu isso. E talvez você nunca entenda.
E você começa a pensar em momentos de alegria e você se apega tanto a eles que dá uma vontade enorme de voltar porque você não aproveitou direito. Você retira as manchas e faz seu passado perfeito. E, depois de limpo, ele parece muito melhor e mais feliz do que o seu presente.
E aí está a sua vida num relicário. Distante e bela. E limpa.
E quando toca uma música um pouco mais triste você abaixa a cabeça e se tortura com o fato de que não pode voltar no tempo.
E agora, José?
Do que adianta isso? Você ainda tem tanta vida pela frente. Já percebeu o mar de oportunidades se estendendo aos seus pés? Não, você estava muito ocupado lamentando.
Seu passado dá saudade? Então tenha orgulho dele. Mas não o suficiente para querer viver nele.
O passado está aí para nos ensinar, mas o que importa mesmo é o presente e o futuro, porque é sobre eles que a gente tem controle. Viva.


Eu avisei que era lugar-comum.

Um comentário: